Pneu em chamas no CCP

O Centro Cultural Português, em parceria com a Associação dos Escritores Moçambicanos-AEMO, acolhe, no dia 29 de Setembro, às 18 horas, uma palestra subordinada ao tema “Pneu em Chamas: Literatura, Rebeldia e Cidadania”, que será proferida pelo académico Lucílio Manjate.

pneu
  Recorde-se que o romance Pneu em Chamas foi apresentado em Maio passado em Maputo. O autor, Jorge Oliveira (Maputo, 1971), jurista de formação, foi Presidente do Conselho Fiscal e Secretário-Geral da AEMO. Foi também coordenador, na década de 90, da "Gazeta de Artes e Letras", caderno cultural da revista Tempo. Publicou os romances Dias rasgados ao meio, Chapas desordenadas, e a colectânea de contos Quando os dias correm mal aos astros. De acordo com Lucílio Manjate, docente de Literatura Moçambicana na Faculdade de Letras e Ciências Sociais da UEM, o livro Pneu em chamas “convoca-nos a uma velha, mas sempre renovada questão: pode a literatura ser rebelde, participar na construção da cidadania sem deixar de lado aquilo que nela a todos fascina, a arte? E porque falamos em arte, que heranças e que novos caminhos do fazer literário Jorge nos sugere. Estas e outras questões serão objecto de reflexão na sessão em destaque.”

Lucílio Manjate, também escritor e ensaísta, publicou os livros de ficção Manifesto, Os silêncios do narrador, e A legítima dor de Dona Sebastião. Co-organizou as antologias de contos Esperança e Certeza 2 e Era uma vez…, publicadas pela AEMO, e, muito recentemente, Antologia inédita, outras vozes de Moçambique, em co-autoria com o poeta Sangare Okapi.

FaceBook  Twitter